Censura nas redes sociais

Apareceu um artigo muito bom na “Revista Espírito Livre” sobre a questão da liberdade de expressão e as redes sociaisi [1] que foi originalmente publicado no Observatório da Imprensa [2] e corresponde a tradução de Jô Amado (com edição de Letícia Nunes) do artigo “Social networks face free-speech tests” de April Dembosky (com colaboração de Robert Cookson) publicado no Financial Times [3].

Como informado no texto:

Facilitar a livre expressão ao mesmo tempo em que se controla o conteúdo ofensivo tornou-se um teste controvertido e um desafio tecnológico para redes sociais (...)

Em um post anterior, Liberdade de expressão e direito autoral, disse que “uma vez considerado o respeito mútuo entre os indivíduos, deveríamos pensar sobre nossa (...) liberdade [de expressão]”. No que se refere as redes sociais, o desafio é separar o conteúdo que viola o respeito a algum indivíduo daquele que não o faz porque muitas vezes essa separação não é muito nítida.

Devido a essa dificuldade de separar o joio do trigo, a maioria das redes sociais atuais deixam/removem conteúdo que não deveriam. Na minha opinião, o uso de redes sociais distribuídas e federadas como status.net, pump.io, ... resolve o problema, pelo menos na questão da liberdade de expressão.

Referências

[1]http://www.revista.espiritolivre.org/redes-sociais-enfrentam-teste-de-liberdade-de-expressao
[2]http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/_ed749_redes_sociais_enfrentam_teste_de_liberdade_de_expressao (cópia local)
[3]http://www.ft.com/cms/s/0/9346aedc-c843-11e2-8cb7-00144feab7de.html#axzz2VP2B2vAea (cópia local)